Quais são as principais funções de um profissional de recursos humanos

Independentemente do setor, os ativos mais importantes de uma empresa são as pessoas que lá trabalham. Afinal, sem uma equipa motivada e selecionada de acordo com o fit organizacional, será bastante complicado — senão impossível — conseguir êxito nos objetivos traçados. É por isso que o profissional de recursos humanos é uma figura tão importante.

Como o próprio título do cargo sugere, este profissional é o responsável pela gestão das pessoas. Tarefas como recrutamento e seleção, contratações, gestão das férias e das ausências, pagamento da folha de salários fazem parte da rotina desses profissionais.

Se você ainda tem dúvida sobre o que é a gestão de recursos humanos, este artigo irá explicar. Vamos abordar os seguintes tópicos:

Continue a leitura do artigo para entender todos os pontos fundamentais sobre o assunto!

Gestão de recursos humanos: o que é? 

A gestão de recursos humanos é a atividade cuida do desenvolvimento dos profissionais da empresa. Os profissionais de RH usam uma série de metodologias, ferramentas, habilidades e práticas para conseguirem extrair o melhor de cada profissional e também garantir a saúde e o bem-estar dos trabalhadores.

Em décadas passadas, o departamento responsável por fazer a gestão de pessoas no âmbito das empresas tinha uma atuação limitada, com atribuições bastante operacionais, como a gestão das folhas de pagamento e do ponto. Mas a atuação deste setor mudou muito nos últimos anos.

Com a evolução do mercado de trabalho e a mudança do perfil dos profissionais ativos, as organizações viram a necessidade de repensar o que eram os seus departamentos de Recursos Humanos.

Atualmente, as atribuições dos profissionais de Recursos Humanos vão muito além da operação. Constituem-se numa série de práticas e atividades, todas tendo como principal foco o desenvolvimento dos profissionais que compõem a empresa. O resultado de uma boa gestão de RH é uma equipa mais motivada e maior produtividade geral da companhia.

Entre as principais atribuições deste departamento, estão a atração de talentos, o onboarding dos novos colaboradores — ou seja, o treinamento inicial —, a gestão de benefícios, o planejamento estratégico das políticas de recursos humanos e a motivação constante dos profissionais, entre outras. A retenção de talentos é também uma das grandes tarefas e, ao mesmo tempo, desafios do setor.

Atualmente, os departamentos de RH podem ser encontrados com outros nomes nas diferentes empresas. Entre os mais comuns, estão departamento de gestão de pessoas ou desenvolvimento humano. Mas a essência é sempre a mesma: potencializar os talentos, de forma a aumentar a produtividade na empresa.

Porquê este departamento é importante para a empresa? 

O setor de gestão de pessoas é uma área estratégica de todas as empresa. Dizemos isto, já que diferentes aspetos dos profissionais, desde as suas qualificações técnicas até às ditas soft skills, são fatores importantes para determinar o sucesso de uma organização. A seguir, estão alguns dos principais motivos porque o RH é tão importante.

Contratações mais certeiras

Desde o anúncio das vagas nos locais com maiores chances de atrair bons candidatos até à realização de entrevistas mais produtivas, os processos de contratação feitos pelo RH são mais eficientes.

Ao escolher um profissional para preencher uma vaga de trabalho, atentar-se somente às habilidades técnicas não é suficiente. As chamadas soft skills, ou habilidades comportamentais, são igualmente importantes.

As contratações feitas por um profissional de recursos humanos seguem uma série de metodologias. Estas garantem que o candidato escolhido seja a melhor opção, não só em termos técnicos, mas relativamente à adequação à cultura organizacional.

Melhor clima organizacional

O clima organizacional é um dos principais fatores de influência na motivação e na produtividade dos colaboradores. Definimos o “clima” da organização como a percepção que os trabalhadores têm do ambiente de trabalho. Altos níveis de stress, cobranças desmedidas e desigualdade são alguns exemplos de aspetos que influenciam negativamente no clima organizacional.

Uma das preocupações do departamento de RH no dia a dia da empresa é garantir um bom clima. Isto é conseguido através de formações constantes e contínuas para os líderes, ações de sensibilização e programas de bem-estar e qualidade de vida dentro do trabalho.

Percebendo-se num ambiente colaborativo e construtivo, os profissionais sentem-se mais motivados. Esta motivação impacta diretamente nos níveis de produtividade gerais da empresa.

Alinhamento de todos aos objetivos organizacionais

Em muitas empresas, o departamento de comunicação interna está diretamente vinculado aos Recursos Humanos. Esta escolha faz sentido, uma vez que para uma comunicação interna eficiente, as informações têm de estar alinhadas às políticas de gestão de pessoas.

O investimento da empresa em ações para melhorar a comunicação entre os seus colaboradores em todos os níveis tem consequências positivas no envolvimento das pessoas e na produtividade.

Quando todos sabem o que é esperado de si, quais são as metas e os objetivos gerais da organização, é mais fácil de caminharem na mesma direção. Dessa forma, as energias empregadas nas ações e os recursos inumanos têm um maior aproveitamento.

Retenção de talentos

Até aproximadamente a década de 1990, o sonho dos profissionais recém-licenciados era ser contratado numa empresa sólida e lá construir a sua carreira. Esta aspiração profissional mudou muito nas últimas décadas. Os Millennials e a Geração Z já não têm a expetativa de reformarem-se na mesma empresa onde começaram a trabalhar.

Estes jovens profissionais trocam de trabalho, à procura de maiores desafios, reconhecimento, encontrar um trabalho com propósito e outras razões que estão mais ligadas à subjetividade. Neste contexto, a retenção de talentos tornou-se num desafio e numa função vital dos departamentos de RH.

Os processos de recrutamento e seleção saem caros para a empresa. Além dos custos com os anúncios, existe um investimento no próprio candidato contratado, que precisará de formação e terá um período de curva de aprendizagem. Se este profissional sai da empresa pouco tempo depois da contratação, o investimento realizado no onboarding não dará retorno.

Portanto, é fundamental, nos dias de hoje, conseguir manter os talentos na empresa. Isto é alcançado através de bons planos de benefícios, formações, um plano de carreira atraente e investimentos no desenvolvimento do profissional.

Descarrega gratuitamente o nosso checklist para um processo de recrutamento e seleção eficiente:

Como é o dia a dia de recursos humanos, as funções e atribuições?

O dia a dia de um profissional de recursos humanos atualmente varia muito, consoante o perfil da própria empresa. Nas organizações mais tradicionais, que ainda fazem a gestão de pessoas de forma não automatizada, uma parte do tempo do analista de RH será dedicada a tarefas operacionais.

Entre as principais, encontram-se:

  • processamento das folhas de pagamento;
  • gestão das ausências;
  • gestão das horas extras;
  • controlo de presenças;
  • controlo das folhas de ponto, entre outras.

Se este for o caso da sua empresa, você pode organizar melhor a rotina de trabalho com a ajuda das nossas planilhas, que podem ser descarregadas gratuitamente:

Por outro lado, em organizações que contam com um serviço de automação e gestão de RH, o profissional acaba por ter funções mais estratégicas. Entre tais tarefas, estarão o recrutamento e seleção de candidatos, melhorias no programa de benefícios, planeamento de formações, realização de pesquisas de clima organizacional, entre outras.

Como deve ser um departamento de recursos humanos?

É importante pensar no departamento de recursos humanos da empresa como um setor altamente estratégico. Os dias em que os profissionais de RH eram os responsáveis somente por tarefas burocráticas ficaram para trás, e não voltarão.

Nos dias de hoje, o RH é um setor de referência dentro da organização, e auxilia numa série de processos. Desde a mediação e gestão de possíveis conflitos até às avaliações de desempenho e a mentoria de desenvolvimento de carreira são responsabilidades do departamento de RH na empresa. O foco principal desta equipa é melhorar o desempenho geral da organização através da melhoria constante dos profissionais que lá trabalham.

Dessa forma, é essencial que este setor tenha uma boa comunicação com todos os demais. O RH precisa garantir que as informações circulam corretamente de forma transversal dentro da empresa. As informações principais têm de chegar a todos os níveis hierárquicos e a todos os departamentos, independentemente de onde estejam no organograma da empresa.

Os desafios atuais do departamento de recursos humanos são grandes. Justamente por isso, muitas empresas têm recorrido à automatização dos processos. Esta mudança permite uma melhor utilização do tempo dos analistas e gestores de RH. Em vez de dedicarem o seu tempo às tarefas operacionais, estes profissionais podem pôr todo o seu foco nas questões estratégicas. O resultado desta escolha é uma maior produtividade do departamento, que reflete-se num melhor desempenho geral da empresa.

Indicadores de RH

Assim como todos os outros departamentos das empresas modernas, o RH modernos teve de aprender a lidar com os dados. Devido à abundância de recolha que tornou-se possível com o avanço tecnológico, o processo decisório atual é totalmente determinado pelos dados.

Para analisar os referidos dados, é necessário estabelecer parâmetros de análise. Tais parâmetros são chamados KPI, ou indicadores. Os mais vulgares para os departamentos de Recursos Humanos são:

  • Absenteísmo: faltas e atrasos, que podem indicar o grau de motivação dos colaboradores;
  • Turnover: a taxa de rotatividade dos profissionais da empresa dá indicações de quais podem ser os problemas por detrás destas saídas;
  • Número de colaboradores: a proporção entre o número de profissionais contratados na empresa e a produtividade indica se há problemas que podem estar a tornar a empresa ineficiente;
  • Clima organizacional: existem testes de clima organizacional capazes de indicar onde estão os principais pontos passíveis de melhorias relativamente ao ambiente da empresa.

Aplicados e forma estratégica, os KPIs de Recursos Humanos podem gerar insights bastante valiosos para aumentar a eficiência dos processos de uma forma geral.

software-recursos-humanos-pt

Quais as habilidades necessárias para fazer gestão de recursos humanos?

Um bom profissional de recursos humanos precisa reunir uma série de competências, fundamentais na gestão de pessoas. Muitos analistas e gestores de RH são licenciados em psicologia, mas isto não é suposto. Também há aqueles que têm uma formação de base nos cursos de gestão. No entanto, precisam de ter algumas caraterísticas em comum.

Organização

Saber distribuir bem as tarefas ao longo do tempo, organizar informações e documentos é uma das principais habilidades do profissional de RH. A rotina nestes departamentos envolve muitas tarefas diferentes. Por isso, é essencial conseguir organizar-se no tempo e no espaço, no ambiente real ou digital.

A organização tem um papel importante também no momento de saber como priorizar as atividades. Quando, por exemplo, um gestor de outro departamento pede auxílio com as avaliações de desempenho, não pode esperar até que o RH termine de fazer todas as suas inúmeras tarefas. Esta necessidade possivelmente antecederá outras tarefas.

Multitasking

Muitos cargos, atualmente, requerem que o profissional seja capaz de saltar rapidamente de uma tarefa para a outra — o chamado multitasking, ou multitarefas. Os recursos humanos são uma destas.

Ainda se pegarmos no exemplo anterior, do gestor que pede ajuda, certamente que este pedido chegará enquanto o analista de RH está a desempenhar alguma outra tarefa. Quando isto acontecer, o profissional poderá ter de parar o que está a fazer para atender ao pedido do colega.

Esta transição tem de ser feita com o grau máximo de atenção, para que os resultados não sejam prejudicados.

Capacidade de comunicação

O profissional de Recursos Humanos estabelece as pontes entre os diferentes setores da empresa. Um exemplo é quando um determinado projeto requer a colaboração entre gestores que não se conhecem. Neste caso, pode ser o RH a fazer a apresentação entre os dois.

Para além disto, fazer a gestão de pessoas significa ter de gerir informações, processar histórias, encontrar soluções para conflitos. Tudo isto só é possível através de uma comunicação transparente, que pode ser mediada ou conduzida pelo analista de RH.

Gestão de conflitos

As divergências e os conflitos são normais no ambiente organizacional. Muitas vezes, estes desacordos são até mesmo benéficos. Já que podem levar a um ponto de vista não contemplado sobre algo. Mas estas fricções são positivas somente enquanto os envolvidos conseguem discutir de uma forma saudável e encontrar uma via intermediária.

Quando isto não ocorre, é hora de o profissional de recursos humanos intervir. Este profissional deve ter a habilidade de conciliar os interesses, resolvendo o conflito a nível individual ou do grupo de uma maneira eficiente.

Foco em resolução de problemas

A gestão de conflitos anda de mãos dadas com a orientação para a resolução de problemas. Em situações de litígio, não vale a pena lamentar-se ou tentar encontrar os culpados. Esta postura irá somente aumentar os níveis de stress, sem ajudar na conclusão da situação.

Portanto, o profissional de recursos humanos precisa ter o seu foco na resolução dos problemas. Independentemente dos culpados, o RH vai ajudar a azeitar as relações, para que o trabalho tenha um fluxo satisfatório e o trabalho seja feito da forma mais eficiente possível.

É fácil encontrar emprego em recursos humanos?

A área de recursos humanos exige profissionais altamente capacitados e com caraterísticas específicas, como analisamos anteriormente. Isto faz com que os profissionais com formação mais sólida tenham uma mais-valia aquando da procura por uma recolocação profissional.

Por outro lado, desde as empresas pequenas até às multinacionais contam com um departamento de RH. Desta forma, o mercado para estes profissionais é bastante amplo, com vagas que se abrem diariamente.

Se pensa num redirecionamento de carreira, ou licenciou-se há pouco tempo e interessa-se pela área de RH, invista na sua qualificação. Com um bom currículo, certamente, não levará muito tempo até conseguir um contrato numa boa empresa.

Como funciona uma empresa de recursos humanos? 

Algumas empresas maiores preferem ter um departamento de RH enxuto e contar com tercerizados para tarefas específicas de recursos humanos. Alguns exemplos são os processos de head hunting, formação, outsourcing e consultorias para a implementação de novas soluções.

As empresas de recursos humanos funcionam como uma consultora externa, prestando o serviço de forma pontual ou contínua, de acordo com a necessidade do cliente. Empresas de outros setores podem contratar esta assistência para momentos pontuais, como preencher um posto muito específico de trabalho, ou para tarefas perenes, como a gestão das folhas de pagamentos.

Estas empresas têm todas as responsabilidades que um departamento de RH tem no âmbito de uma companhia. No entanto, pode não oferecê-las sempre a todos os clientes. A oferta de serviços é personalizada, de acordo com a necessidade.

Se você já é um profissional de recursos humanos e este universo não é novo para si, sabe bem da importância de uma plataforma de gestão de processos de RH. A Factorial é uma das plataformas preferidas pelos analistas e gestores de pessoas de todo o mundo.

Com uma interface simplificada e intuitiva, a nossa plataforma permite a execução de tarefas de forma muito simplificada. Faça o controlo do ponto, a gestão das ausências e processe as folhas de pagamentos com muito mais eficiência.

Faça um teste gratuito e aproveite a melhor ferramenta de gestão de pessoas na sua empresa!

 

 

Texto escrito por Raquel Sodré e revisado por Mariana Ramalho

Leave a Comment